Nayra, a beleza e o branqueamento do carnaval

Assistimos  e compartilhamos pelas redes uma matéria do jornal inglês The Guardian sobre a atriz e modelo brasileira Nayara Justino, que  foi escolhida como a rainha do “carnaval globeleza” em 2013, mas que posteriormente foi substituída por ser demasiado negra para os padrões de aceitação tupiniquins.

SUGERE-SE PARA ESTA PAUTA:

>>Para assistirmos a documentários sobre o monopólio da Globo temos que recorrer ao documentário britânico “Beyond Citizen Kane”( Simon Hartog, Chanel 4, 1993). Agora, para saber um pouco mais da história de Nayara, e ainda como persistem formas de racismo entre nós é preciso ler e ver o The Guardian????? Por quê?????

Obs: O jornalista Pedro Ekman chegou a comentar que “No Brasil somos reféns de uma mídia que não fala da mídia, de um jornalismo que só cobre a mídia para enaltecer suas qualidades. Baita matéria do jornal britânico. Isso é o tal direito à informação diversa e plural de que tanto falamos e de que não se pode falar, pelo menos não na mídia”.

>Outro enfoque para esta matéria é a questão do branqueamento do próprio carnaval. Vide comentário da nossa colega da PUC Pary Souza (Rede PUC): “Uma questão que pode até parecer absurda para muitas pessoas, o sonho de ser a Globeleza, musa do imaginário carnavalesco criado pela Globo. Antes de falar da questão do uso do corpo da mulher no carnaval, é interessante notar como esta mesma mulher, negra, vem perdendo espaço quando o carnaval vira negócio. As rainhas de bateria, e até as passistas que sempre foram destaques com as “mulheres maravilhosas” aos poucos vão clareando. É o racismo mostrando suas garras, os destaques não podem ser negros. No caso da globeleza notem que a emissora escolheu uma negra, mas não bancou a escolha frente ao preconceito de seus espectadores. Triste país, que teve um aumento no número de universitários, mas que vem se mostrando cada vez mais insensíveis para esta questão”.

O QUE AS REDES ESTÃO REPERCUTINDO SOBRE ISSO:

https://tagboard.com/nayarajustino/search

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *