Por Isabela Noleto e Jéssica Lopez  

  O cheiro doce e quente das frutas frescas logo na entrada, as vozes atarantadas, risadas, o rapaz simpático me olha nos olhos e educadamente diz: - Quer experimentar ameixa, senhorita? Está doce e fresquinha - Eu sorrio e logo continuo meu caminho. Olhando para cima, a construção datada de 25 de janeiro de 1933 exibe um charme clássico, com vitrais coloridos que refletem a luz do sol das 13h. Localizado no centro da cidade de São Paulo, o Mercado Municipal, abrange uma diversidade enorme de mercadorias e comerciantes que convivem com a multiplicidade de procuras e buscas. Lidam com munícipes, turistas, estrangeiros e devem ser preparados para conseguir atender tal demanda. É sábado no Mercado Municipal, famílias inteiras estão andando lentamente, apreciando as pilhas de frutas e legumes, tirando fotos, conversando com vozes entrecortadas pelos gritos dos vendedores de frutas, carnes, temperos e variados alimentos. Estrangeiros se encantam, conversam entre si em inglês, francês e árabe, tiram fotos, sorriem encantados com a dinâmica do comércio brasileiro, uma negociação nada formal, com descrição das vantagens em levar as frutas e barganhas pelos clientes. Os comerciantes tem sua característica própria de vender; puxar o cliente pelas mãos, chama a atenção das formas mais criativas, contagiam o visitante com o prazer de comercializar o produto e de estarem ali, em corredores abarrotados de gente. O poder de convencimento, normalmente é a marca registrada. São muito atenciosos e carismáticos, apresentam os produtos existentes, mostram que entendem do assunto e deixam o cliente apreciar as delícias.     O vendedor André, de 25 anos nos oferece várias frutas exóticas. A uva argentina sem sementes, que encontrou o solo perfeito em campinas frescas do Recife para serem cultivadas no Brasil, tem o sabor adocicado e farto. Ele enche as minhas mãos de sementes de romã, fruta típica do mediterrâneo que tem a tradição de trazer a riqueza, no entanto, a maior recompensa é o seu sabor. De uma doçura bem particular. E André adverte: "Para cada semente, faça um pedido". Lucas, de 21 anos, é comerciante da Amazon Frutas Exóticas, localizado no corredor central do Mercadão. Com toda gentileza, veio nos atender para ajudar na escolha. Explicou e tirou dúvidas sobre as frutas nunca vistas antes, sobre a sua variedade de cor, qualidade e onde são cultivadas. Trazendo sempre boas escolhas ao cliente, apresenta novidades e serve pedaços das mais diversificadas frutas. O que impressiona é a bela montanha colorida montada na barraca, trazendo uma harmoniosidade para o cliente, além do cheiro, que misturado com todas as variedades de frutas, trazem uma sensação adocicada, aguçando o paladar e os olhos.

Foto: Isabela Noleto.

  A Pitaya brasileira pinta os lábios de um roxo vivo, mas a colombiana nos arrebata com o seu sabor cítrico e adocicado, é uma das frutas vendidas na barraca. Lucas apresentou três de suas variedades, com cores, qualidades e preços diferentes, do azedo ao docinho, sem perder sua essência e além de tudo, a beleza.

Foto: Isabela Noleto.

O abacaxi "Gomo de Mel" não tem o miolo convencional da fruta e é bem mais doce e suculento, o kiwi com banana tem um gosto singular, tão saboroso quanto em sua forma mais conhecida. Há tantas variedades imensa, que um banquete poderia ser feito somente com a degustação das frutas, mas, conhecer mais a variedade do Mercadão é preciso, continuamos nossa caminhada.

Foto: Jéssica Lopez.

 

Foto: Jéssica Lopez.

Ao andar por entre os caminhos do Mercado Municipal, qualquer tipo de alimento pode se encontrar. Carnes, peixes, laticínios, conservas, alimentos para cozinha kosher, variedades para os vegetarianos, e cortes nobres para quem aprecia carnes ou aves raras como o faisão. Do lado do corredor de embutidos, logo se sente o cheiro quente, forte e convidativo dos temperos. Vários saquinhos ao lado do outro. O aroma da canela, cravo, pimenta, açafrão, salsinha em pó se mistura com o cheiro de milhares de temperos. Em frente, o típico tempero que se faz o famoso chai indiano; o cardamomo, na versão em pó e em sementes.

Foto: Jéssica Lopez.

Do mezanino podemos visualizar melhor a curiosa sinfonia de vozes e movimentos do Mercadão. As cores, pessoas, movimentos são vivos, assim como seus sabores. O prato de ravioli de mussarela de búfala com manjericão, orégano e molho fresco de tomate, acompanhado de frango grelhado tem o sabor perfeito; suculento e reconfortante, como o abraço das amigas que acabam de se encontrar na mesa ao lado e pedem, sushi. Não faltam opções de pratos, medalhão de carne ao molho mostarda, peixe assado, feijoada. De tudo pode se encontrar. Até doces típicos italianos e portugueses num quiosque de doces lotado de gente. A atendente, Edna, de 41 anos, nos diz que o que faz mais sucesso são os canolis, na escolha de três sabores; ricota, doce de leite e nozes, este último, eleito o favorito da maioria dos clientes.

Foto: Jéssica Lopez.

 

Foto: Jéssica Lopez.

O local é uma boa escolha para visitar um ambiente diversificado, com comerciantes de diferentes personalidades e jeitos de vender sua mercadoria. Abrangendo vendas de frutas, legumes e verduras, peixese carnes, recebe também artesãos, com suas artes feitas com as próprias mãos e vendidas com o coração. Lá, a simplicidade convence e vende. O bom comerciante sabe aproveitar a localidade e a grande procura que recebem. Boas receitas podem ser feitas com cada ingrediente comprado no local. Bons produtores e armazenadores fazem parte do Mercadão e fazem com que o local seja bem avaliado por muitos; assim como o bom atendimento de seus restaurantes, que variam com suas vendas típicas e popularmente conhecidas e procuradas por seus visitantes, como o pastel de camarão com catupiry, pão recheado com mortadela e o delicioso lanche de pernil temperado.

Foto: Isabela Noleto.

Bem estruturado, o Mercadão abrange a diversidade e por ser um ponto turístico, é bem movimentado e frenético aos finais de semana, sendo uma procura para um passeio fora do comum. Não é difícil encontrar estrangeiros circulando por lá, todos muito impressionados e empolgados com a localização. Tem uma praça de alimentação, sempre muito disputada; o mezanino é a melhor opção para uma vista geral do Mercadão, além de proporcionar uma bela foto para registro da visita, inclui também os mais procurados restaurantes do local, sempre com filas de esperas, mas muito aconchegantes e bem servidos. Um ambiente descontraído, podendo proporcionar um momento de comemoração ainda mais especial, como a de um aniversário, reunindo amigos e familiares, com a companhia de garçons servindo delícias, animação e empolgação.  

Dentro do Mercadão, é possível realizar exposições artesanais, de artistas que exibem suas obras e produtos, proporcionando mais uma atração ao visitante da localidade. Lá, também tem o espaço Mercado Gourmet, um saguão de eventos. Na semana do dia 07 de maio exibia exposições de confecção de bolos temáticos, incluindo bolos de Wesley Benvenuto e Moneh Almeida.

                                                                                                    

Foto: Isabela Noleto.

O Mercadão é a soma de todos os sabores, sensações, aromas e caras, o que dá a característica de sincretismo e umas das riquezas tradicionais da cultura gastronômica de São Paulo, que é feita não só pelos alimentos, mas principalmente pelas pessoas, que constituem a importância desse símbolo de São Paulo junto com suas histórias. Seja por qual motivo resolverem visitar o Mercadão, recomenda-se que além da curiosidade e do afeto de estar perto de pessoas diferentes e atentas, venham com muita fome.  

Foto: Jéssica Lopez.

Leave a Reply