Por Paula Paolini Remondini

 

As rodas correndo e sua sensação de liberdade quando rasgam o asfalto é o momento de paz de um garoto da cidade. Leonardo, vivendo no cenário caótico da grande metrópole, por vezes têm ansiedade – mais um mal dessa geração – assim, pega o skate e transita pelo famoso “Minhocão” e a simbólica praça Roosevelt, finalmente conseguindo respirar e se sentir melhor. O rapaz estava procurando sua liberdade, física e da alma. Andar sozinho é sempre a melhor opção, consegue ficar isolado com seus pensamentos correndo pela sua cabeça assim como as rodas do skate. O dia pode pedir uma companhia ocasionalmente, mas o sentimento de libertação não muda, é apenas compartilhado. 

 

 

E por falar em companhia, Lívia, que às vezes anda com Léo, acredita que é possível voar sobre quatro rodas. A leveza do momento e a trilha sonora certa têm o poder de afastar os elementos ruins do dia. Skate traduz experiências, lugares e amizades novas, desafios, superações, nas palavras da moça. É Uma constante busca pela liberdade, o suprimento da alma. Enfatizando sua juventude, enxerga que é nesse momento que a vida começa, é nesse momento que tudo ainda é diferente, é nesse momento que experiências e sentimentos são novidade. Além disso, a garota de belas palavras ressalta o espaço das mulheres no skate, sendo mais um cenário em que a luta feminina também tem sua voz e sua vontade de ser livre.

 

 

 

No perfeito cenário urbano e babélico, o shape e  as quatro rodas podem ser libertadores. A adrenalina ao descer ruas enormes ou a tentativa de novas manobras e o êxtase com o acerto é a liberdade de Gabriel. A determinação que se tem no skate também pode refletir em outros fatores de sua vida e com isso, uma versão melhor do seu eu surge. Percorrendo praças e ruas, as amizades crescem, uma identificação acaba acontecendo e os grupos ganhando espaço. A sensação de andar com outras pessoas é muito mais gratificante na visão de Gabriel, a cultura do skate vai muito além do esporte, sendo uma fuga interessante, que desde a década de 70, criando uma tribo no urbano, além de proporcionar uma visão à humildade de quem anda, mudando sua perspectiva de mundo.

Ao passar a manhã na faculdade e a tarde fazendo trabalhos, ao cair da noite o momento de sentir o ar entrando em cada fibra do rosto e emoção da rapidez das rodas no asfalto chega. O frio não é obstáculo, um gorro e uma jaqueta resolvem. A praça Roosevelt, depois de tanta luta para ser resgatada e ter se tornado um ícone, hoje, começa a encher cedo. Não importa a solidão, Arthur já sabe quem frequenta o local e sempre tem conhecidos por lá, conversas e manobras vem e vão e a cultura do skate ganha seu lugar. Em algumas noites, a praça abriga o Slam Resistência, o ativismo poético que completa o cenário.  A música nutre a vida no skate, a predominância é o rap e o hip hop, mas há espaço para qualquer tipo, é escutar o que te faz sentir bem e em sintonia junto com o andar do skate. O estilo de vida, comportamento e até o modo de vestir representam nitidamente a fuga da tradicional rotina, é a ocupação do espaço urbano, mas fugindo dele. Arthur vê o livramento e a renovação ao voar com aquele objeto tão simples mas que deixa a vida mais fácil de viver. Leonardo, Lívia, Gabriel, Arthur e tantos outros fazem parte desse sentimento de querer ser livre que grita mais alto na juventude.

Enquanto isso, na Zona Leste, uma praça tímida e escondida com rampas e corrimões de skate, dá continuidade a essa cultura. Não é necessário ser no centro da cidade ou ter uma história conhecida para que um local também se torne importante para tantos praticantes do esporte. Gustavo mora perto dessa praça, sempre que tem vontade ou precisa canalizar todas suas frustrações ou tristezas em algo, é pra lá que ele vai. As subidas que pratica nas rampas e os movimentos nos corrimões são um meio de colocar tudo pra fora e fugir de pensamentos que consomem sua mente. De tal modo, com tantas personalidades diferentes mas tanto em comum por uma única causa, cada indivíduo tem sua sede de liberdade e procura sua fuga sobre rodas.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Leave a Reply