Livrarias vivem crise financeira e ameaçam fechar as portas

Livraria Saraiva

 

Por Bruna Carmagnani

A livraria Cultura está vivendo sua maior crise, tendo no dia 24 de outubro de 2018 feito um pedido de recuperação judicial. Mesmo depois de receber, em 2017, uma injeção de cerca de R$ 130 milhões para assumir as operações da rede francesa Fnac no País, a companhia não conseguiu solucionar seus problemas financeiros e teve de recorrer à proteção da Justiça.

Em comunicado ela disse “com essa medida visamos normalizar, em curto espaço de tempo, compromissos firmados com nossos fornecedores, preservando a saúde da empresa criada por Eva Herz em 1947, a manutenção de empregos e gerando mais estímulo para crescer”.

Nos últimos meses, a empresa deixou de pagar seus fornecedores, ou atrasar os pagamentos. Quando conseguia negociar prazos maiores com as editoras, não podia cumprir os acordos. Comenta-se que recentemente a empresa chegou a oferecer eletrônicos vendidos na loja como forma de pagamento. Algumas editoras chegaram a suspender o fornecimento de livros para a Cultura para evitar prejuízos maiores, deixando a situação cada vez mais extrema.

Outra medida drástica tomada nesse breve período de tempo foi a livraria Saraiva fechar 20 lojas incluindo as que revendiam produtos Apple como Itown. A empresa não confirma a relação dos pontos desativados, mas segundo fontes do mercado, estão entre eles as lojas de Londrina, Santos (Avenida Ana Costa), Campinas (Galeria Shopping), Alphaville, Tamboré, Granja Viana, Mogi das Cruzes e dos shoppings Anália Franco e West Plaza.

A Saraiva e a Cultura são protagonistas (e também responsáveis) por uma das piores crises do mercado editorial brasileiro. Nos últimos meses, não estão conseguindo liquidar o pagamento para seus fornecedores – agravando ainda mais a situação das editoras. Ao mesmo tempo, livrarias como a Martins Fontes e as redes Leitura, Livrarias Curitiba, Travessa e Vila, mais conservadoras em sua gestão, estão conseguindo passar um pouco mais tranquilamente pela atual crise.

Leave a Reply