Por Júlia Pestana
 
Estamos no mês totalmente dedicado a saúde, batizado de Setembro Amarelo e ligado a campanhas de prevenção ao suicídio, algo que vem se tornando frequente, principalmente entre jovens. Falar sobre suicídio já foi um tabu maior e ainda hoje ele enfrenta grandes dificuldades na identificação de sinais, entre eles esta a depressão.
 
A porta de entrada para a depressão pode ser motivada por algo a que não damos tanta importância, mas que faz uma grande diferença, como a falta de dentes. Esquecemos que além das suas funções básicas para a pessoa se alimentar, para mastigar alimentos e ter uma boa digestão, também são importantes para falar, pois sem eles as palavras não se articulam bem e ainda interfere na imagem. Sendo influentes na aparência, prejudica a autoestima e a autoconfiança, pois nos encontramos nessa sociedade que não se atenta aos determinantes que levaram o indivíduo a perder os dentes.
 
O estudo “Percepções Latino-americanas sobre Perda de Dentes e Autoconfiança”, feito pela Edelman Insights, destaca que a perda de dentes é o segundo maior fator que mais prejudica a qualidade de vida de pessoas entre 45 e 70 anos. De acordo com a pesquisa, no Brasil, 39 milhões de pessoas usam próteses dentárias, sendo que uma em cada cinco delas tem entre 25 e 44 anos. O estudo ressalta que 16 milhões de brasileiros vivem sem nenhum dente e 41,5% das pessoas com mais de 60 anos já perderam todos.
 
Em relato, a senhora de 80 anos, Sônia Cardim conta: “Já perdi muitos dentes, tenho prótese em cima e quando fui por embaixo não segurava mais. Já tive vergonha, não queria nem que as pessoas vissem que eu não tinha dentes embaixo e nem saber que os de cima eram dentadura. Dizem que na gravidez a gente pode perder dentes porque perde cálcio (de acordo com dentistas essa afirmação é falsa, algo que acreditavam no passado). Na época falavam em tirar todos os dentes, pois os dentistas não queriam tratar. Não me lembro o porquê de não ter ido ao dentista, mas tirei todos os dentes de baixo.”
 
A vergonha de dar um sorriso, de falar com alguém importante, a imagem que se quer passar em uma entrevista ou até mesmo se olhar no espelho, são situações do dia a dia em que a falta do dente se torne um empecilho para conversar ou a pessoa se sentir bonito. Assim, se falamos de prevenção devemos notar que as condições bucais são como reflexos da condição da vida, pois diz muito sobre os hábitos e quanto ao auxílio proporcionado pelo governo do local onde mora.

Leave a Reply