Por Giovana Macedo

Morar na cidade mais populosa do país costuma ser o sonho de muitos. As oportunidades, experiências e diversidades que ela proporciona não se encontram em qualquer lugar. Passei a vida inteira mudando de país, casa e escola. Amigos também, mas os amigos permanecem pra vida toda. Sair do interior, mais conhecido como fim do mundo, de uma cidade com 40 mil habitantes, para vir morar na maior cidade do Brasil é uma baita mudança. Fico feliz de ter essa oportunidade e sou muito grata por tudo que já vivi e conheci aqui.

Moro na Zona Oeste, em Alphaville. 34 quilômetros da PUC-SP, uns 40 minutos de van. Não há metrô aqui e o único transporte público que consigo pra chegar ao centro é o que vai à Paulista e passa por Pinheiros, o que faz o trajeto durar 1h40. De lá, consigo ir pra outros lugares. Aqui por perto há estação de metrô e de trem, mas é em Carapicuíba e faz muitas voltas, complica mais ainda o trajeto. Compensa pegar o 378 para a Paulista e desde lá eu me viro. Por morar longe, minha vida social com os amigos da faculdade não é flexível, tenho que me planejar uns dias antes pra ver na casa de quem vou dormir, como vou voltar e quais roupas levar. Claramente isso me incomoda, pois não consigo ter a vida social que São Paulo oferece: as baladas, os bares, os museus, os teatros e demais atrações. É possível ir de carro, mas, enquanto não pego o jeito de dirigir em longas avenidas, me contento com o ônibus ou com a (talvez) boa vontade dos meus pais de se aventurarem comigo. A mesma coisa acontece com atividades fornecidas pela faculdade, que geralmente acontecem a partir das 18, em que não consigo marcar presença por ser longe de onde moro e pela inflexibilidade de ter que ficar dormindo fora de casa.

Não reclamo totalmente de morar aqui. Tenho minha família comigo, o bairro é seguro e agradável, mas sinto falta de mais atividades de lazer e de uma vida social mais nutrida. Alphaville pertence ao município de Santana de Parnaíba, uma cidade de 123.825 habitantes. Segundo as pesquisas na internet, a história do município se dá pela posição estratégica no vale do rio Tietê e por ter se tornado o ponto de partida das bandeiras que seguiam rumo ao Oeste Paulista e ao Mato Grosso. Em 1625 o povoado é elevado à condição de vila, com a correspondente criação do município. Depois, em 1980, ganhou dinamismo econômico pelo fácil acesso às rodovias e com o surgimento dos condomínios de Alphaville. Possui um centro histórico e a capela “Nossa Senhora da Conceição”.

É um lugar bom, mas não consigo me encontrar aqui. Sinto que São Paulo tem muito mais a me oferecer e tenho, também, muito pra explorar. Espero conseguir um lugar pra morar no centro, até lá me contento com as idas e vindas no 378 e as aventuras de ter que dormir fora de casa nos finais de semana.

Leave a Reply