O cenário atual do futebol dentro da Rússia

Um dos mais tradicionais campeonatos volta a crescer depois de muito tempo

Por Fabrício Indrigo 

    Escudo da seleção russa de futebol

A edição de número 21 da Copa do Mundo, que será na Rússia, conta com uma seleção anfitriã que não marca presença em uma copa desde do ano de 2002, mas, permanece sendo um dos centros de futebol da Europa. Juntamente com a antiga União das Repúblicas Socialistas Soviéticas, a Rússia participou do mundial em nove oportunidades (1958, 1962, 1966, 1970, 1982, 1986, 1990, 1994, 2002), agora como país sede terá mais uma participação, sendo que a melhor colocação foi um quarto lugar em 1966.

Em meados dos anos 80, a URSS criou um time competitivo indo até a final da Eurocopa sediada na antiga Alemanha Oriental, mas acabou derrotada pela Holanda, de Van Basten e companhia. A partir desse período o futebol russo entrou em declínio, principalmente pelo momento político vivido, que corresponde ao fim da antiga URSS.

Os anos se passaram e o cenário foi se alterando lentamente, até que em 2008 a geração de Andrei Arshavin (hoje considerado um dos maiores atletas do futebol russo na história, e que naquele ano era jogador do Zenit, time da Rússia) levou a seleção até a semifinal da Euro 2008, tendo sido eliminada apenas pela futura campeã Espanha.

Essa mudança de patamar se deve principalmente a fatores econômicos, já que o dinheiro era abundante dentro do maior país do mundo, e existiam investimentos altíssimos em infraestrutura. Ressalta-se que nesse período diversos jogadores brasileiros, como Vágner Love, Hulk, Luiz Adriano e Giuliano, entre vários outros, atuavam na liga russa.

Essa época de prosperidade (compreendida a partir do inicio do século XXI) chegou ao fim com a crise na Ucrânia. O rublo (moeda oficial) sofreu desvalorização e também a validação de sanções, como a limitação de exportações por parte de países como EUA, geraram uma grave crise econômica. Tal crise acabou por levar investimentos à centros futebolísticos na Ásia e Oriente Médio.

Além dessa crise financeira outro problema da Rússia, que precisa ser apontado, é a falta de liberdade de expressão na mídia. Estima-se que 1/3 dos times russos são comandados por empresas estatais, assim os donos desses clubes assim como o governo não gostam de ouvir críticas. O jornalista Grigory Telingater em entrevista a ESPN, afirmou: “A maioria dos clubes tem dinheiro do governo. Na Rússia é muito difícil ganhar dinheiro com o futebol, todos os donos de empresas estatais perdem muito, às vezes fortunas. Acredito que essas pessoas amam futebol, razão mais lógica para se perder tanto dinheiro” sintetizou bem a questão da falta de investimento.

Toda essa perspectiva e essa história potencializam a ideia de que a Rússia tem um cenário futebolístico com grande potencial para se desenvolver. Contudo, para que isso ocorra, primeiramente deve resolver questões políticas pendentes, depois disso, sua torcida apaixonada talvez tenha algo competitivo para ver.

Leave a Reply