Com 88 anos de história, a Copa do Mundo realiza sua 21ªedição

Atualmente disputado por 32 países, é o evento mais célebre no mundo esportivo.

A Copa do Mundo Fifa, evento esportivo que ocorre a cada quatro anos, vai muito além de apenas um torneio futebolístico. Ela abrange aspectos políticos e econômicos capazes de alterar toda a dinâmica social, principalmente do país-sede.

O futebol é, atualmente, o esporte mais popular do planeta e o que possui o maior número de telespectadores durante o evento mundial, ultrapassando o público dos Jogos Olímpicos. Criado na Inglaterra em meados do século XIX, o esporte só começou a ser popularizado após quase meio século com a fundação da Federação Internacional de Futebol (Fifa) na França em 1904.

Desde 1900, o futebol era exibido durante os Jogos Olímpicos, por meio de pequenas partidas, mas já na edição de 1908 se tornou competição entre seleções. A partir de então, a tentativa de organização de um evento exclusivo do futebol ganhou notoriedade e aprovação em 1914 pela Fifa. Porém, sua realização foi impossibilitada devido à iminência da Grande Guerra.

Após o fim da Primeira Guerra Mundial, a organização do evento foi novamente proposta. Jules Rimet, presidente da Fifa entre os anos de 1921 e 1945, convenceu as federações nacionais europeias de que o futebol deveria ter abrangência maior que apenas a realização de partidas nos Jogos Olímpicos, já que o esporte estava conquistando um certo profissionalismo, já evidenciado nos Jogos de 1924 e 1928.

Diante disso, em 1930 realizou-se a primeiro torneio mundial no Uruguai, com a participação de 13 países, principalmente os da América Latina. O país escolhido comemorava os cem anos de independência, além de ter sido bicampeão olímpico no futebol.

A Copa do Mundo é disputada atualmente por 32 países classificados através de eliminatórias,em que só o país-sede tem vaga garantida de participação do evento. O megaevento abrange não somente o universo esportivo; influencia diretamente os aspectos político e econômico, bem como a cultura dos países participantes em relação ao país anfitrião. Além disso, as edições do campeonato promovem o crescimento e o desenvolvimento em diversos setores dos países-sede, principalmente em relação à infraestrutura, à tecnologia e à comunicação social.

O megaevento esportivo que ocorre a cada quatro anos rigorosamente, neste ano realiza a sua 21ª edição na Rússia. É a primeira vez na história das Copas que um país ex-socialista sedia o evento.

Abaixo, a cronologia das Copas:

Partida final entre Uruguai e Argentina (Foto: Fifa)

1930 – Uruguai

Devido às dificuldades econômicas, ainda oriundas da Primeira Guerra Mundial, somente quatro seleções europeias participaram da Copa: Bélgica, Romênia, França e Iugoslávia, que viajaram para o Uruguai de barco, atravessando o Oceano Atlântico.

As partidas ocorreram em três estádios: Centenário, com capacidade máxima de 90 mil pessoas; Gran Parque Central, com capacidade máxima de 20 mil pessoas; e Pocitos, com capacidade máxima de 1 mil pessoas. Todos eram na capital Montevidéu.

A final foi disputada pela Argentina e Uruguai, na qual o anfitrião saiu vencedor.

 

1934 – Itália

O campeonato mundial foi organizado em duas etapas. A primeira com 32 países participantes, e após partidas eliminatórias, a segunda com 16 seleções.

A Copa ocorreu em plena ascensão do fascismo, sendo que, a partir de então, o megaevento esportivo adquiriu também importância política, já que foi utilizado para a propaganda de Benito Mussolini e de seu regime totalitário.

Pela primeira vez uma país africano participou do evento, o Egito, que chegou até as oitavas de final.

A final foi disputada entre a Itália e a Tchecoslováquia, com a presença de Mussolini na arquibancada como forma de intimidação aos jogadores italianos, afirmando que, se não ganhassem, “arcariam com as consequências”. Por fim, a Itália venceu o torneio na prorrogação por 2X1.

1938 – França

A última Copa antes da Segunda Guerra Mundial, teve como anfitriã a França, visto que já havia sediado os Jogos Olímpicos em 1934 e queria promover com mais intensidade o nazismo na Europa.

Somente 16 países participaram dessa edição, sendo apenas Brasil e Cuba representando os países americanos. Foi a primeira e a única vez que Cuba participou de um evento desse porte. Os demais países sul-americanos boicotaram o evento por ocorrer em território europeu duas vezes consecutivas.

A taça foi conquistada pela Itália, dando-lhe o bicampeonato mundial, contra a Hungria por 4X2.

No ano seguinte, 1939, iniciou-se um conflito que transformaria toda a dinâmica global de maneira irreversível, a Segunda Guerra Mundial.

1942 – 1946: As Copas que não ocorreram

A Segunda Guerra e seus desastres suspenderam as Copas, tendo sido canceladas pela Fifa devido à impossibilidade apresentada pelo cenário europeu. Inicialmente, a Alemanha sediaria a Copa de 42, já que a infraestrutura apresentada durante os Jogos Olímpicos obteve grande destaque.

A Suíça, por ser um país neutro na guerra, organizou a Copa das Nações, na qual participaram alguns países europeus em 1942.

1950 – 1986: As Copas na Guerra Fria

A retomada das edições da Copa do Mundo aconteceu após cinco anos do final da guerra mais desastrosa nos aspectos humanitários até então ocorrida. Dessa vez, a situação política do planeta teve impacto direto no torneio, já que o mundo estava polarizado entre socialistas e capitalistas.

A Copa de 1950, sediada no Brasil, não obteve os resultados esperados pelo então presidente Getúlio Vargas para realizar a propaganda política de seu governo a partir da realização do megaevento. Contudo evidenciaram-se falhas administrativas e de infraestrutura, como os atrasos na construção e regularização dos estádios. É importante destacar que o estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro, que depois se tornaria símbolo do futebol brasileiro foi construído para essa Copa.

A competição contou com a participação inicial de 33 países, porém, após as eliminatórias, somente 16 disputaram a taça. A Copa de 50 não obteve uma única partida final oficializada pela Fifa, pois quatro nações estavam entre os primeiros colocados nas fases de grupo, sendo eles o Brasil, o Uruguai, a Suécia e a Espanha. Apesar disso, a última partida foi disputada entre Brasil e Uruguai foi acirrada, na qual o time brasileiro era favorito e precisava apenas de um empate para conquistar a taça, mas nos últimos minutos, o Uruguai virou o placar e tornou-se bicampeão mundial.

Em 1954, o país anfitrião foi escolhido em razão da comemoração dos 50 anos de fundação da Fifa, ou seja, a Copa foi realizada na Suíça. Participaram 16 equipes, sendo a final entre Alemanha Ocidental e Hungria, em que a primeira levou o título com o placar de 3×2. Também foi em 1954 que a seleção brasileira se apresentou com calção azul e camisa amarela, o que posteriormente se tornaria o uniforme oficial. Vale ressaltar que a partida de estreia foi transmitida em tempo real na televisão pela primeira vez na história.

Em 1958, pela primeira vez a URSS participa, sendo uma das favoritas ao título, na Suécia. A cobertura televisiva do mundial tornou-se mais abrangente, transmitido a 11 países europeus e filmados em 16mm no formato de kinescópios. Isso revolucionou a cobertura da mídia nos grandes eventos.

A partida final aconteceu entre a Suécia e o Brasil, no qual o time brasileiro conquistou seu primeiro título, apresentando ao mundo o futebol do jovem Pelé, que disputou o torneio com apenas 17 anos de idade. Placar: 5×2.

Em 1962, no Chile, o Brasil é bicampeão consecutivo na final contra a Tchecoslováquia por 3×1.

Mascote World Cup Willie – 1966 (Foto: Reprodução)

A Copa de 1966 ocorreu no país criador do futebol, a Inglaterra. Seu marco foi o surgimento de mascotes para representar a edição do mundial. Ele era um leão, símbolo do Reino Unido, chamado de World Cup Willie. O país anfitrião foi campeão pela primeira vez contra a Alemanha Ocidental, vencendo por 4×2.

Foi no México, em 1970, que o time brasileiro se tornou tricampeão contra a Itália, vencendo com o placar 4×1. O título serviu como propaganda política no auge da ditadura cívico-militar instaurada no Brasil, além da conquista da Taça Jules Rimet permanente por ser o primeiro país a conquistar três títulos na Copa do Mundo. Foi a primeira vez em que poderiam ser feita substituições de jogadores, bem como a utilização dos cartões amarelos e vermelhos para punir os jogadores em campo.

Ainda em meio a Guerra Fria, a Alemanha Ocidental foi o país-sede da Copa de 1974. O anfitrião conquistou o título pela segunda vez, contra a Holanda, por 2×1. Os mascotes oficiais eram dois garotos felizes, Tip e Tap, que representavam as duas Alemanhas, reproduzindo a ideia de união e amizade mesmo separadas pelo contexto político vivenciado.

A Copa do Mundo de 1978 aconteceu na Argentina mesmo sob o regime ditatorial. Muitos problemas sociais e econômicos argentinos tornaram-se claros para o mundo, porém, mesmo assim, a propaganda política para enaltecer a ditadura militar foi veemente. Além disso, a manipulação dos jogos pelo time argentino fez com que chegassem à final contra a Holanda, que perdeu pela segunda vez em finais, dando o título ao anfitrião. O Brasil declarou-se “campeão moral” por ter se mantido invicto durante todo o campeonato, mas não pôde conquistar o título e nem disputar a partida final.

A partir do campeonato mundial de 1982, na Espanha, as Copas passaram a serem disputas por mais de 24 seleções. O Brasil, sob o comando de Telê Santana, destacou-se com tática ofensiva durante os jogos e era o favorito ao título. No entanto o país vencedor foi a Itália, que conquistou o seu tricampeonato.

Em 1986, ocorre o megaevento futebolístico pela segunda vez em território mexicano. Dessa vez, a Argentina conquistou o título contra a Alemanha Ocidental. A seleção dinamarquesa foi o destaque da vez, tendo sido apelidado de “Dinamáquina”, após haver goleado o Uruguai por 6×1.

1990 – 1998: As Copas do final do século XX

Com o fim da Guerra Fria em 1989, e ainda como reflexo dela, a Copa de 1990, na Itália, marcou a última participação da Iugoslávia, da União Soviética e da Tchecoslováquia em uma Copa do Mundo FIFA, já que estas tiveram seus territórios divididos em porções de terra menores apara criação de novas nações oriundas da União Soviética. A final do campeonato foi disputada entre Argentina e Alemanha Ocidental, sendo que os alemães alcançaram seu tricampeonato. Com isso, a vitória alemã simbolizou a reunificação das Alemanhas recentemente iniciada com o fim da guerra político-ideológica.

Time brasileiro tetracampeão nos EUA (Foto:Fifa)

O Brasil conquistou seu quarto título na Copa de 1994, em território estadunidense. O título foi comemorado e utilizado para homenagear o recém-falecido Ayrton Senna, tricampeão mundial de Fórmula 1 com a frase: “Senna, aceleramos juntos. O Tetra é Nosso.” Ao longo da competição, eternizou-se a fala “Vai que é sua, Taffarel”, do locutor de futebol Galvão Bueno da Rede Globo.

Em contrapartida, em 1998, o time brasileiro perdeu a Copa contra a França, país-sede do evento, por 3×0. Desse modo, o time francês segurou pela primeira vez a taça de campeão do mundo.

Os anos 2000

Pela primeira vez na história das Copas, dois países sediaram o megaevento em 2002: o Japão e a Coreia do Sul. O evento proporcionou ao Brasil a conquista da quinta taça da Copa do Mundo, além de o time se destacar pelo aproveitamento máximo dos jogadores, invicto em todas as partidas, 7 ao todo.

A Copa de 2006, na Alemanha, foi inusitada: o Brasil era considerado o favorito, já que tinha vencido sua última edição e a Copa das Confederações em 2005, mas nem sempre os antecedentes são garantias da conquista. Ao contrário do que os brasileiros imaginavam, quem levou a taça dessa vez foi a Itália, ganhando o tetracampeonato mundial, que venceu a França nos pênaltis por 5×3.

Em 2010, o evento futebolístico aconteceu na África do Sul. Finalmente, a África pôde contemplar um megaevento em seu continente. Por isso, é possível afirmar que a Copa de 2010 foi um rompimento de paradigmas no contexto global.O grande destaque dessa edição da Copa foi a publicidade envolvida. A bola Jabulani, que simbolizava os dialetos e as etnias africanas, tornou-se a representação do megaevento, assim como a mascote Zakumi. Além disso, a música exclusiva do campeonato transformou-se em hit mundial, Waka Waka (Time for Africa) interpretada pela cantora Shakira, sendo uma das mais tocadas no mundo durante 2010. Inesperadamente, a Espanha venceu o campeonato, título inédito para o país.

A Copa do Mundo de 2014, sediada pelo país do futebol, Brasil, renovou as esperanças dos brasileiros na conquista do hexacampeonato mundial. Mesmo diante de uma crise política e econômica e da ameaça de não ocorrência do megaevento devido aos protestos populares e aos atrasos em obras de infraestrutura para a realização do evento, a experiência da Copa pela segunda vez em território brasileiro, superou as expectativas dos estrangeiros em diversos aspectos. Por isso, a Fifa avaliou o megaevento como “o melhor futebol já visto na história dos mundiais”.

Joseph Blatter, presidente da Fifa, no sorteio dos grupos para a Copa, afirmou: “Era mais do que hora de a Copa do Mundo voltar para o Brasil, que organizou pela última (e única) vez em 1950. De lá para cá, a seleção brasileira ganhou cinco vezes. É justo com esse país multicultural, que vive muito o futebol. Por isso, vamos dar ao futebol o seu devido valor, no campo e fora dele. Nós temos de lembrar que esse grande humanista (Nelson Mandela) disse que o esporte serve para conectar as pessoas. Eu quero fazer um apelo ao povo brasileiro: vamos todos juntos, porque essa Copa do Mundo é para vocês.”

No entanto a Copa no Brasil trouxe umas das maiores decepções acerca do futebol brasileiro. Na partida contra a Alemanha nas quartas-de-final, o anfitrião foi eliminado por 7×1, os

Logotipo do megaevento (Foto: Fifa)

quais 3 gols realizados pela equipe alemã ocorreram antes dos 10 minutos iniciais do jogo.

Por fim, a seleção alemã invicta conquistou o tetracampeonato, o primeiro fora do território europeu.

Este ano, a Copa do Mundo celebra em território russo sua 21ª edição, inédito em um país ex-socialista. Muita expectativa se gerou em razão dessa Copa, principalmente em relação aos favoritos à conquista do título mundial: Brasil, Alemanha, Espanha e Argentina.

A Copa da Rússia acontecerá entre os dias 14 de junho e 15 de julho, contando com 48 partidas só na primeira fase.

Leave a Reply