Projeto ‘’Sopão’’ beneficia mais de 300 moradores de rua e transforma vidas

Moradores de rua em fila para recebimento da sopa na Praça da Sé em São Paulo. Foto: Jamilly Santana.

Por Jamilly Santana

Um projeto criado há trinta anos por membros da Paróquia Santa Cruz de Itaberaba, zona norte de São Paulo, tem mudado a vida de moradores de rua da cidade. O “Sopão” dá alimento, agasalhos e principalmente afeto para aqueles que não possuem se quer um teto, e ao longo dos últimos anos, já beneficiou mais de vinte mil pessoas em 30 anos desde sua criação.

O fator que estimula voluntários a se envolverem em ações de distribuição de sopa para pessoas carentes em São Paulo é, sobretudo, a vontade de ajudar o próximo e isso tem feito com que grupos, alguns formados apenas por amigos e outros incentivados por instituições religiosas, continuem exercendo a atividade durante o ano todo. O trabalho, em determinados casos, envolve ainda a arrecadação de roupas e itens pedidos pelos moradores de rua.

Somente o projeto do Sopão, está em atividade na cidade há mais de 30 anos e distribui 400 litros de sopa no último sábado de cada mês, na região do Centro de São Paulo. A integrante que participa do projeto desde o seu início Leonilda Camozzi Lubianco, relata que aproximadamente 30 pessoas se revezam entre a produção e a distribuição do alimento a cada fim de semana. Além da sopa, a equipe entrega pães, arrecada roupas, cobertores e cestas básicas para os moradores.

Preparação de Sopa pelas colaboradoras. Foto Jamilly Santana.

 

Aprendizado

Leonilda sustenta que sua visão sobre o próprio voluntariado mudou desde que aderiu ao projeto “Sopão”. Há trinta anos, ela coordena um grupo de 30 pessoas, entre cozinheiras e outros voluntários, que distribui sopa para a população carente. A entrega ocorre no último sábado de cada mês, a partir das 19h00min, geralmente na Praça da Sé. Cerca de 200 pessoas são atendidas. “Quando começamos o trabalho, havia uma mentalidade de ensinar algo a elas e vimos que aprendemos muito mais com essas pessoas do que elas com a gente”, relata Camozzi. Uma equipe de até 90 pessoas se divide e percorre uma vez por mês roteiros pré-definidos pela cidade a fim de levar 500 litros de sopa para quem mora nas ruas.

Bazar de arrecadação de fundos para o Sopão na Paroquia Santa Cruz de Itaberaba em São Paulo. Foto: Jamilly Santana.

Recursos

Para realização do projeto e elaboração das sopas, o dinheiro é arrecadado por meio de brechós que são realizados dentro da Paróquia Santa Cruz de Itaberaba. Os legumes são doação da instituição CEASA. Os pães e carnes são comprados pelo dinheiro arrecadado no brechó e quando ele não é suficiente, saí do bolso dos próprios integrantes do projeto, ‘’tentamos procurar empresas que pudessem colaborar com doações para o projeto, mas infelizmente nunca tivemos retorno positivo. Apesar disso, ver que ajudamos diversas pessoas nos incentiva a continuar e cumprir um papel de olhar para uma parte da sociedade que o próprio governo esquece’’ relata Camozzi.

Leave a Reply