Antiga subestação de energia em SP é transformada em centro cultural e torna-se geradora de ação criativa

O local proporciona encontros e trocas de experiências entre públicos diversos.

Por Maria Clara Vieira

O “Red Bull Station”, localizado na Praça da Bandeira, no Centro da cidade de São Paulo, é um importante centro de artes, música e multimídia, e oferece diversas exposições e eventos em suas galerias e ateliers.  O espaço funciona de terça a sábado, das 11h às 20h e possui entrada gratuita e visita guiada. O curador do local, Fernando Velázquez, afirma que a gratuidade na entrada diz respeito a uma visão e filosofia, “a de contribuir para o desenvolvimento cultural da cidade e para a formação do público visitante”.

A construção, que foi reinaugurada oficialmente como Red Bull Station em 2013, passou por algumas reformas e apresenta aos seus visitantes um contraste entre o antigo e o contemporâneo. “O edifício foi uma das primeiras subestações geradoras de energia da cidade de São Paulo. Reativar o prédio com energia criativa faz com que conceito e ação formem uma estrutura de coerência clara e objetiva”, diz Velázquez. O local proporciona, além das exposições e eventos, muita comodidade num ambiente acolhedor e confortável, que está sempre de portas abertas para receber o público. Além disso, toda a área é coberta com Wi-fi livre e gratuito para os convidados, que podem usar o espaço para trabalhar ou estudar, como aponta a monitora do Red Bull Station.

Contraste entre antigo e moderno em todo o ambiente.

Um dos locais mais esperados da visita é o terraço, que proporciona uma vista de 360º da cidade. De lá, é possível ver o prédio da Prefeitura de São Paulo e também o contraste que existe – não só dentro do edifício – entre os prédios do entorno. A monitora conta que esse espaço do último andar é usado em eventos abertos ao público, como foi o caso da Virada Cultural desse ano, que contou, além das exposições que já estavam acontecendo no Red Bull Station, com um happy hour especial, com a participação do DJ Trepanado. “É um espaço que fica aberto de terça a sábado. Tendo exposição ou não, ele sempre fica aberto para o público”, completa.

Vista do terraço: disparidade entre os prédios ao redor do Red Bull Station.

O edifício conta com diversos espaços que possibilitam aos visitantes uma interação direta com a arte em cada exposição e evento. E, além de apresentar obras de alto nível, os visitantes garantem que não há do que reclamar sobre o Centro. Danilo Ferreira de 16 anos, que é estudante de publicidade, conta que achou todo o projeto muito interessante e ainda completa: “A estrutura é bem legal, eu trabalho também com essa parte de eventos. Gostei, achei bem organizado. É incrível”.

 

Exposições e eventos:

O Red Bull Station conta com uma galeria principal que recebe grandes eventos e exposições. No sábado, 26 de maio, aconteceu nesse espaço o ‘Beat Brasilis’, que reuniu DJs, MCs, músicos, produtores e beatmakers para gravarem um disco vinil. No mesmo dia, aconteceu no auditório o evento ‘Sófálá’, que trouxe o slam de poesia (poesia falada) apresentando uma batalha de poesias, que abordou temas diversos, desde amor a preconceito racial. O ‘Sófálá’ também estará presente no Red Bull Station no dia 30 de junho, às 16h, dessa vez com a batalha de MCs.

Além disso, estava sendo apresentada nos ateliers a exposição “Foto Invasão”, que acontece uma vez ao ano e que foi um grande atrativo no último mês. O estudante Danilo conta que conheceu o Red Bull Station por um dos fotógrafos que ele admira, Flávio Samelo, que estava expondo suas obras nessa mostra, com seu trabalho Par sepfinrbs. Todas as fotos ficaram em exposição no local entre os dias 18 e 26 de maio e foram dividas nas cinco salas do 2º andar. Trazendo importantes temáticas, a feira reuniu amantes da fotografia para trocar experiências e vivências.

Mauricio Virgulino, ‘Me fere’ – “O que vale uma imagem frente a mil palavras?”.

O designer Marcos Antônio Rodrigues de 29 anos, também foi até o Red Bull Station pela “Foto Invasão”, e diz não ter nenhuma opinião negativa sobre o lugar e que é difícil ter críticas quanto a trabalhos autorais como os que estavam sendo apresentados. Ao ser perguntado sobre o que mais gostou da exposição, ele apontou para a foto principal do atelier cinco, que exibia as obras de Tommaso Protti da mostra Tá cheio. O projeto retrata a situação de superlotação dos presídios brasileiros. “Essa parte eu achei a mais densa, talvez a que traz um sentimento mais potente. Essa primeira foto (imagem abaixo) é ‘animal’. Foi a que me chamou mais atenção”, conta.

Foto da exposição do fotógrafo Tommaso Protti, Tá cheio.

Essa diversidade de artistas encontrada no Red Bull Station (entre eles fotógrafos, poetas, MCs, rappers etc.) proporciona, em um mesmo ambiente, uma troca de experiências não só entre eles, mas também entre os visitantes do lugar. Com isso, Velázquez aponta para o desafio do projeto que vem sendo estabelecer diálogos com públicos diversos. “Embora estejamos propositalmente num processo de constante aprendizado, o engajamento de artistas, parceiros e visitantes indica que estamos no rumo certo”, completa.

 

Serviço:

Praça da Bandeira, 137, Centro, SP.

Entrada gratuita.

Horário de funcionamento:

Terça a sexta: 11h às 20h e sábado: 11h às 19h

Telefone: +55 (11) 3107-5065

 

Leave a Reply