Festival une inovação, diversidade e arte na rua

Logo do Festival.                                                                                      Foto: Karine Sena

Por Karine Sena

Nos dias 18, 19 e 20 de maio aconteceu em São Paulo a sexta edição do Festival Path, maior evento sobre inovação e criatividade do Brasil. A união de 500 palestrantes, mais de 20 shows, mostra de filmes, quatro workshops, feira de startups, exposições de arte, food trucks, happy hour e até mostra de games, criou uma experiência única em educação, entretenimento e negócios. Boa parte da programação teve acesso livre, mas para participar de algumas atividades era necessário ter adquirido o ingresso, que em seu primeiro lote custava 150 reais.

Feira de Games, feira de startups, feira gastronômica, laboratório de arquitetura, exposições e aula de yoga, são apenas alguns exemplos de atrações que tinham entradas gratuitas. Além disso, a VICE, site que produz conteúdos independentes e originais, também marcou presença na agenda com uma retrospectiva fotográfica das manifestações que ocorreram em 2013 e com a exibição de uma seleção de documentários produzidos pelas redações latino-americanas, como, por exemplo, Furries, que explica a cena antropomórfica brasileira, e Transamazônicas: Las Reinas de La Selva, uma abordagem sobre a coroação da rainha LGBT da Amazônia colombiana. Anna Beatriz Issler, designer formada, que acompanhou algumas projeções comentou: “Eu descobri que alguns desses documentários foram postados no YouTube pela VICE, mas se não fosse por essa mostra eu jamais saberia da existência deles. É uma pena que nem toda a programação seja gratuita porque o conteúdo é muito interessante e deveria estar disponível para todos”.

Retrospectiva fotográfica das manifestações de 2013.             Foto: Karine Sena

Para facilitar a locomoção das pessoas, a programação ficou concentrada na região de Pinheiros. O Instituto Tomie Ohtake, a Fnac e a Escola Britânica de Artes Criativas, foram alguns dos locais contemplados. “No geral percebi um olhar muito consciente sobre o tempo em que vivemos e as possibilidades futuras. Ao invés de uma adulação irrefletida sobre coisas hypadas, encontrei visões muito conscientes e com reflexões importantes sobre o presente e o futuro”, refletiu o publicitário Eduardo Azevedo, que participou da feira de startups e contou que gostou muito dos projetos Cennarium, que tem o plano de se tornar a Netflix dos teatros, e Mind Miners, que quer levar pesquisas de baixo custo para agências de todo Brasil.

O Festival Path começou a ser produzido em 2013 pela plataforma O Panda Criativo, que cria, promove e gere iniciativas que usam a criatividade como ferramenta para transformar a sociedade. Com o passar dos anos, o projeto se consolidou em crítica e público e em 2018 recebeu um total de 20.000 pessoas, 8 mil a mais do que em 2017. Além disso, o número de atrações e de espaços também só aumentou desde o início. Existe também uma preocupação por parte da organização em equilibrar a presença de mulheres, homens e profissionais negros nas palestras. Ao todo, o festival conta com 23 curadores.

Leave a Reply