CCBB recebe exposição de Jean-Michel Basquiat

por: Emily Moura da Silva


Exposição em homenagem ao artista chega ao Brasil com o maior contingente presente na América Latina  

 
Foto: Marcelo Audinino

Com obras que retratam a Nova York dos anos 70 e 80, Jean-Michael Basquiat, artista negro que é considerado um dos mais importantes do século XX, tinha como protagonistas de seus trabalhos grandes personalidades afrodescendentes. Em uma época com pouca representatividade negra, o artista inicialmente classificado como neoexpressionista, mostrou-se muito mais do que esperavam. Conquistou credibilidade, prestígio, e se tornou um dos grandes nomes da arte contemporânea. Com exposições em Nova York, Japão, Itália, Los Angeles, Suíça e várias outras ao redor do mundo – Foi o artista mais jovem convidado a participar do Whitney Biennial. Infelizmente no dia 12 de agosto de 1988, aos 27 anos o artista morreu decorrente de uma intoxicação aguda por mistura de drogas. 

Depois de quase trinta anos de sua morte, Basquiat ainda é um grande nome na história da arte, e influencia milhares de artistas. Pensando nisso, o Banco do Brasil em parceria com o Grupo Segurador banco do brasil e Mapfre, trouxe ao Brasil as obras da coleção Mugrabi, a maior já realizada na América Latina sobre o artista. 

A exposição no Centro Cultural Banco do Brasil, conta com quatro andares e o térreo. Nos andares é possível entrar nas salas expositivas e sentir de perto todas as obras da coleção. Em algumas ainda, é possível saber mais sobre pinturas em específico, através de um QR code ou do aplicativo do próprio CCBB. Toda a exposição foi montada para levar o visitante até a Nova York que Basquiat cresceu e se desenvolveu como artista. Com os mapas e letreiros típicos da época, é impossível não viajar no tempo e presenciar de perto toda a evolução artística. 

Cada obra de Basquiat é extremamente única, desde as marcas iniciais deixadas em NY com a sigla SAMO, que quer dizer “sempre a mesma merda”; até os grandes quadros repletos de colagens e frases enigmáticas. As obras apresentadas na exposição fazem parte do acervo pessoal da família Mugrabi, um dos maiores colecionadores das obras do artista. 

Além da obra propriamente dita, a exposição também possui uma completa linha cronológica sobre a vida do artista, com fatos e curiosidades, que faz com que cada um se sinta muito mais próximo e íntimo dele. 

No térreo acontece toda a parte interativa da exposição. Telas sensíveis ao toque levam crianças e adultos a liberar a criatividade na criação de pinturas digitais. As homenagens ao estilo de Basquiat, ficaram por conta de artistas brasileiros que participaram de um espaço colaborativopintando e esculpindo ao icônico estilo de Basquiat. Em entrevista, Rimon Guimarães, artista curitibano convidado para fazer parte da mostra, afirma que Basquiat o influenciou muito, e faz isso até hoje através de todo ativismo racial presente em suas obras. “Espero que com essa exposição, as pessoas possam se sensibilizar e valorizar essas manifestações de arte urbana”, afirma a respeito das fortes censuras que manifestações artísticas andam sofrendo nos últimos tempos. 

Obra de arte do artista colaborador, Rimon Guimarães.
Foto: Marcelo Audinino

Ainda na parte interativa, a exposição traz um grande diferencial: Todos os dias, às 13h30, a equipe do Programa educativo Sapoti projetos culturais, empresa que presta serviços para o CCBB, faz uma performance, que através da música, conta toda a história vivida por Jean Michael Basquiat. Com tambores, teclados e instrumentos de sopro, os artistas que encenam a apresentação, realizam um espetáculo criativo e muito bem elaborado, cuja parte contada é interpretada acompanhada da música de acordo com o momento da vida do artista. Para fazer essa performance, os artistas se preparam pelo menos um mês antes, recebem conteúdo teórico, participam antecipadamente da exposição e buscam referencias do próprio artista.
 

Grupo Performático
Foto: Marcelo Audinino

Uma exposição rica, que apresenta um artista revolucionário. Muito bem montada e diversificada, “Eu acho uma oportunidade imperdível poder ver o trabalho de Basquiat de perto. Seja pela qualidade de sua produção ou sua importância na história da arte. Basquiat está no hall dos gênios”, diz a Youtuber Vivian Villanova, do canal VIVIEUVI. 

A exposição ficará no Centro Cultural Banco do Brasil de São Paulo, localizado na Rua Álvares Penteado, 112 – Centro CEP: 01012-000 | São Paulo (SP). até o dia 07/04. Entrada franca, é só retirar os ingressos na porta. O horário de visita é das 9h às 21h de terça a domingo. 

Leave a Reply