Posts byGabriel_Rodrigues

Deus ajuda quem cedo madruga

Por Gabriel França No condomínio de um bairro nobre de São Paulo trabalha Seu Pasquim. O pobre senhor humilde mora nas periferias do bairro Heliópolis. Sua rotina cansativa de trabalhador noturno lhe desgasta física e mentalmente. A situação piora quando o pobre senhor não se sente valorizado naquele lugar de luxo, se submetendo a receber
CONTINUE READING

Sacrifício animal nas religiões afro-brasileiras

Por Gabriel França Moutinho Rodrigues Simão Muito se questiona a respeito à utilização do sacrifício animal como fundamento religioso nas religiões de matriz africana, porém o que não se fala nestes discursos é que muitas outras religiões se utilizam desta prática, sendo elementos verificáveis, histórica e atualmente em variadas confissões religiosas. O sacrifício na umbanda/candomblé
CONTINUE READING

Novos Vizinhos

  Por Gabriel França Moutinho Rodrigues Simão Em uma manhã clara e ensolarada na fazenda de minha família quando abri meus olhos e dei de cara com aquele sol brilhante e quente sobre meu rosto. Deixava a janela aberta sempre, pois me encantava dormir admirando as estrelas e a lua brilhante lá no céu. Que
CONTINUE READING

Representatividade Sindical como bandeira

“Uma negociação só é boa quando há equilíbrio entre ambas as partes.”

Por Gabriel França Rodrigues e Silvana Luz Em meio à correria do dia a dia de quem se divide entre trabalhos de informática e representatividade sindical, está Nalcir Antônio Ferreira Junior, que ao encerrar uma reunião com a diretoria da AFAPUC, com simpatia e olhar determinado nos concede essa entrevista. Natural de São Paulo, capital,
CONTINUE READING

População reclama de buracos nas ruas de Mogi das Cruzes

Carro ficou atolado em rua do bairro Botujuru. Prefeitura promete resolver o problema

Por Gabriel França Moutinho Rodrigues Simão Moradores da rua Adelino Augusto Ferreira, no bairro Botujuru, em Mogi das Cruzes, reclamam do volume de buracos, lama e falta de manutenção na via. No local, os carros não andam em linha reta. É preciso desviar dos buracos. Pedestres, sem calçada, também andam para lá e para cá.
CONTINUE READING